Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

 

O sol funciona como um despertador, timído, a banhar-me com os seus raios e convidando-me para mais um dia, mais uma jornada a enfrentar. Levanto-me, passando as minhas pálidas mãos pela minha camisa de seda preta, para a alisar. Abro a janela e respiro tranquilamente o ar puro, fresco e oiço o cantar dos pássaros e o miar dos gatos, ao longe. Lavo a cara, numa àgua banhada de essências de morango, e escovo os meus longos cabelos, que, seguidamente, são presos por uma longa fita vermelha. Enquanto bebo o meu chá de camomila, oiço-te a estacionar na entrada do meu portão, deixando-me coberta de alegria. Saío a correr pela porta de madeira escura e atiro os meus braços ao teu pescoço bronzeado, cobrindo o teu rosto de beijos. Tu ris-te, ternuramente, e dás-me a mão, de forma a entrarmos dentro de casa. Fechas a porta, com o pé, e levantas-me rapidamente, beijando-me furiosamente e passando-me a minha camisa pela cabeça. Tornamo-nos num só, como dois animais pré-destinados. E, assim que acabava este ritual, tu beijavas-me a testa, vestias-te tranquilamente e dizias-me adeus, sem olhar para trás. E assim era o meu ritual, todos os dias. Contentava-me em ser a outra.

Certo dia, tu não apareceste. Eu, certamente preocuopada, resolvi vestir o meu vestido vermelho floral e fui à vila, à procura de novidades tuas. E nada. Ninguém me sabia dizer nada. E assim passou um, dois, três, quatro dias. Ao quinto, ao abrir a minha janela, deparo-me com um belo par de olhos azuis. Um homem novo, com traços delicados, mas que me encheu o quarto com o seu cheiro masculino; ele deseja-me, e dei-me a mim mesma a oportunidade de ser amada. Quando tu apareceste novamente, procurando o calor do meu corpo, eu apenas afastei-te de mim com as minhas mãos e disse-lhe para ele se ir embora. Mas ele não quis, por a casa onde eu vivia era dele; a roupa que eu vestia era dele; o luxo com que eu vivia era dele. E o amor? O amor era meu. Eu amava a ideia de estar a ser amada, porque apenas o amor preenchia-me por completo. E tomei a minha decisão e disse-te adeus, como tu me dizias todos os dias, e saí de casa, sem olhar para trás.

 

(ficção)



publicado por Isabela às 15:19 | link do post | comentar | favorito

36 comentários:
De lostdreams a 24 de Fevereiro de 2011 às 15:42
oh está tão tão lindo minha querida. adorei mesmo.
beijinhos


De lostdreams a 24 de Fevereiro de 2011 às 15:43
olá.
sim está tudo bem e contigo?
a série dá na fox life à quarta à noite. mas já está a dar a 3ºtemporada .. eu adoro ver. é muito fixe :)

beijinhos


De S. a 24 de Fevereiro de 2011 às 15:44
Sim estas imagens deles retratam mesmo a minha vida, e aplicam-se tão bem aos meus textos *.*
Também gostas de G.G?


De S. a 24 de Fevereiro de 2011 às 16:05
ahah tbm nunca perdi um. na sony ja começou a temporada 4?


De S. a 24 de Fevereiro de 2011 às 16:09
eu vejo on, por isso não sei..


De S. a 24 de Fevereiro de 2011 às 16:13
PortugalSéries.
É mesmo, ele e a Blair são fantasticos mesmo


De S. a 24 de Fevereiro de 2011 às 16:18
mesmo a sério!


De jujuu ♥ a 24 de Fevereiro de 2011 às 17:03
é, mas já estou a pensar em mudar again.


De -inêspattinson. a 24 de Fevereiro de 2011 às 17:12
obrigada sweetie *.*
eu gosto muito dos 2 mas acho que as letras do eminem tem mais a ver comigo (:


De -inêspattinson. a 24 de Fevereiro de 2011 às 17:18
também gosto muito *.*
gosto mais da 1º versão do que da 2º


Comentar post

Catheline, personal blog.
Cátia Vanessa Castro Reis; 03 de Dezembro de 1992; Robert Pattinson; Escrita; Futura Jornalista ou Psicóloga; Saga Twilight; Muse; Cinema; Música; Gossip Girl; Shopaholic; Amor; Bandoletes; Cupcakes.

Catheline.
Vida virtual
Facebook
Hi5
Littleheart-bf
Twitter
After Breaking Down - Fic
My Life as Esme - Fic
Frozen Inside - Fic
TUMBLR
posts recentes

canção do adeus

comunicado

simple words #4

news #5

my heart is back...

xoxo, gossip girl #3

Amizades virtuais
TChrystine
Blowers Daughter
Lennie Rose
Alexandra Queirós
soniiinhaaa :D
~ mia
mg ஜ
LostDreams
Palavras
“If I could dream, it would be about you.”

(Edward Cullen)
Leitura do Momento
«Nómada», de Stephanie Meyer.